sábado, 28 de abril de 2012

Espiritualidade Indígena

 
 

 
A figura sacerdotal do Pajé (nome tupi guarani) estabelece a intermediação entre os homens e os espíritos ancestrais. Exercendo ainda a função de curandeiro. evidenciando assim, a crença de que as doenças físicas são causadas


por influências espirituais. Essas influências espirituais, para o mal e para o bem


são fortemente marcadas nas culturas indígenas.


E após o período de aculturação sofrida pela imposição do cristianismo e da quase que total extinção de nossos irmãos, o retorno às raízes naturais e ancestrais é um movimento silencioso e constante em todo o mundo.


A doença é entendida como uma saída temporária da alma, enquanto que a morte, seria a saída definitiva.


Outro elemento essencial à elevação espiritual, é a coragem; os covardes, os


que não defendem os seus e a sua terra, não são merecedores de ingressar no


mundo sem mal, ficariam presos à sua alma animal, vagando pelos cemitérios.


A religião indígena é estreitamente ligada à natureza, à terra e tudo o que é


proveniente dela, incluindo o mundo animal (a alma animal)


Os pajés atuam nesse contexto como mediadores entre o sobrenatural e os


humanos, seriam eles mesmos, humanos com poderes sobrenaturais; aptos


à predizer o futuro, dominar de certa forma, mediante à ritos, os fenômenos


da natureza, comunicação com toda o tipo de espíritos, cura do corpo e da


alma, conselheiros pessoais e tribais.


Ocupam posição de alto status e em tempos remotos, eram poupados de


irem às guerras.


Durante a pajelança, ele entra em contato com espíritos desencarnados, que


seriam os responsáveis pelos males causados aos doentes, à fim de afastá-los


e promover a consequente cura.


Essa figura, quase que mitológica vem ressurgindo e se popularizando


entre os homens "brancos" , tanto no xamanismo , quanto nos terreiros de


Umbanda.


Será um modismo... acho que não!





“O homem branco jamais se preocupou com a terra, nem com o veado, nem com o urso. Quando nós, índios, matamos um animal, comemos ele todo. Quando queremos arrancar uma raiz, fazemos peque­nos buracos no chão. Quando construímos casas, também fazemos pequenos buracos. Quando queimamos a erva contra os gafanhotos, não arruinamos tudo. Recolhemos as bolotas e as pinhas. Não derrubamos árvores. Usamos apenas madeira morta. Mas os brancos reviram a terra, arrancam as árvores, matam tudo. A árvore diz “Não! Eu sou sensível. Não me fira”. Mas eles a derrubam e a cortam em pedaços. O espírito da terra os odeia. Eles destroem as árvores e as puxam pelas entranhas. Eles serram as árvores. Isto as fere. Os índios nunca ferem nada, enquanto os brancos destroem tudo. Explodem rochas e as espalham pelo chão. A pedra diz “Não! Você está me ferindo”. Mas o branco não pres­ta atenção. Quando os índios usam pedras, escolhem as menores e arredondadas que servem para a cozinha. Como é que o espírito da terra pode gostar do homem branco? Onde o branco põe a mão há sofrimento.”

Olá amigos do meu blog !

Depois de algum tempo sem postar estou retornando a escrever pois estive viajando pelo Brasil aí .
Eu gostaria que no Brasil como parte de nossa cultura original houvesse mais respeito com as coisas da terra , com as coisas da natureza , com preservar as coisas , o homem sem consciência está destruindo a Amazônia , acabado com a fauna e a flor , muitas queimadas ! Isto deve parar , nós devemos saber que o brasileiro é intimamente conectado com a natureza .

Portanto meus amigos é de extrema importancia que vocês cuidem de nosso país para que possamos viver bem ... Toda esta des harmonia que está acontecendo hoje nas grandes cidades é devido a falta de contato com a natureza , lindas paisagens , respirar ar puro . As pessoas se sentem sufocadas nestes grandes meios urbanos e eu acredito que a natureza aliada ao desenvolvimento tecnológico é a chave para o real progresso . Vamos resgatar o verdadeiro espírito brasileiro , que é intimamente ligado as coisas da natureza , do mato , das montanhas , rios , etc . . . Viva o  Brasil !